O Hospital de Base começou a utilizar o equipamento PET-CT para a realização de exames para diagnósticos mais precisos de câncer e outras doenças. Os primeiros três pacientes foram atendidos nesta terça-feira, 14 de setembro. A iniciativa é resultado de acordo firmado pela Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde (Prosus) com o Instituto de Gestão Estratégia de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF) e a empresa GE Healthcare que permitiu a instalação do aparelho no hospital. A unidade é a primeira da rede pública a contar com esse equipamento para a realização de exames com alta definição de imagens.

O equipamento foi adquirido em 2013 ao custo de R$ 3 milhões, mas nunca foi colocado em funcionamento por falta de infraestrutura para instalação. A Justiça homologou o acordo proposto pelo Ministério Público, em outubro de 2019, entretanto o equipamento começou a ser utilizado apenas agora em razão de atraso na realização das obras estruturais e do treinamento de servidores para operar a máquina.

Acordo

A empresa GE Healthcare, que é a fornecedora do aparelho, ficou responsável por executar as obras necessárias no Setor de Imagem Molecular do hospital, estimada em R$ 1,9 milhão. Nesse valor foi incluída a aquisição e a instalação de equipamentos para a climatização e a blindagem radiológica do espaço. Além da montagem e da instalação do PET Scan, a empresa também está realizando o treinamento dos profissionais que estão manuseando o aparelho.

A produção desse modelo de PET Scan foi encerrada em 2014, e as vendas, em 2015. Pelo acordo, a empresa terá de produzir as peças de reposição e fornecer a manutenção do aparelho até 2025. A garantia integral do equipamento é de 36 meses a contar da instalação, incluindo atualizações de software e hardware.

Em 2016, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) também ajuizou ação de improbidade contra gestores da Saúde que autorizaram a aquisição do PET Scan sem licitação, planejamento técnico ou estudos prévios. A ACP segue em curso, ainda sem sentença definitiva.

Para o promotor de Justiça da Prosus Clayton Germano, com o funcionamento do aparelho, o Ministério Público cumpre sua missão constitucional de controle e fiscalização das políticas públicas para melhorar o atendimento oferecido aos pacientes do SUS. “Não fosse a atuação do MPDFT, o equipamento ficaria encaixotado por mais dez anos. Agora, é manter seu regular funcionamento e proporcionar o melhor diagnóstico possível para a população”, destacou.

O trabalho

De acordo com informações divulgadas pelo Iges-DF, a equipe que vai operar o PET-CT começou a ser treinada em 26 de agosto. São 20 profissionais, entre médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, médicos nucleares, físicos e radiofarmacêuticos.

Ivana fez tomografia no tórax, abdômen superior e pelve, após se queixar de dores durante atendimento no Hospital Universitário de Brasília (HUB). “Eles me encaminharam para realizar o exame aqui no Hospital de Base para testar a máquina”, conta. “Achei o ambiente superagradável, a começar pela atenção e bom atendimento dos profissionais. Coisa de primeiro mundo”.

Com informações do Iges-DF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique por dentro do que acontece em Brasília

Receba atualizações semanais.

Relacionados

Arniqueiras: últimos dias para fazer proposta de compra de imóveis

Há três maneiras de realizar o procedimento. Presencialmente, no edifício-sede da Terracap, das 7h às 19h; na Administração de Arniqueira, das 8h às 12h e das 13h às 17h; ou de forma remota, pelo site da Terracap

Perda auditiva ocupacional: 60% dos professores temem problemas na audição

Especialistas alertam que o risco de perda auditiva intensificou por conta do uso de fones de ouvido na pandemia

Secretaria de Justiça realiza ações educativas em parceria com o Detran-DF 

“Além de educar os pais e responsáveis, esta campanha também quer trazer reflexão sobre o respeito à vida e à convivência segura no trânsito, oferecendo mais proteção às nossas crianças e adolescentes” comentou a secretária de Justiça e Cidadania, Marcela Passamani, sobre o projeto.