Depois de uma pausa de duas semanas por conta do recesso parlamentar, a CPI da Covid retoma os trabalhos nesta segunda-feira para aprofundar as investigações sobre suspeitas de irregularidade na compra de vacinas pelo governo Bolsonaro. A partir de terça-feira, o foco da CPI será a negociação envolvendo empresas e intermediários para oferecer vacinas sem o aval de fabricantes estrangeiros. Na próxima semana, a comissão volta a se debruçar sobre o caso da empresa Precisa Medicamentos e o Ministério da Saúde para a aquisição da Covaxin.

A cúpula da comissão tem planos de acelerar os trabalhos para que o relatório final de investigação fique pronto até o final de setembro. A ideia é que o documento produzido pela CPI aponte os indícios de fraude em contratos do Ministério da Saúde, as omissões do governo e ainda a promoção de medicamentos ineficazes durante a pandemia.

O primeiro depoimento previsto é do reverendo Amilton Gomes, na terça-feira. A CPI quer esclarecer a participação da Senah (Secretaria Nacional de Assuntos Religiosos), entidade fundada por Amilton, em uma negociação paralela de vacinas levada ao Ministério da Saúde. O policial militar Luiz Paulo Dominguetti, que ofereceu 400 milhões de doses de AstraZeneca sem autorização do laboratório e sem origem comprovada, contou com a intermediação do reverendo para ser atendido pelo governo federal.

Fique por dentro do que acontece em Brasília

Receba atualizações semanais.

Relacionados

Incêndios florestais na Chapada dos Veadeiros continuam

O fogo está localizado na região do Rio dos Couros e da Serra do Segredo. Brigadistas e bombeiros trabalham no local para controlar as chamas

Hospital de Base faz primeiros exames com equipamento PET-CT

Três pacientes diagnosticados com câncer participam do treinamento da equipe técnica que vai operar a máquina

Covid-19: país acumula 20,9 milhões de casos e 586,8 mil óbitos

São Paulo lidera como o estado com mais casos e mortes registrados