O Movimento Solidariedade Salva recebeu 2 mil cestas básicas nesta quarta-feira (28). A doação foi feita pela Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias – Estaca de Brasília, por intermédio da Secretaria de Turismo do Distrito Federal (Setur-DF), e vai beneficiar famílias em situação de vulnerabilidade social do Distrito Federal.

“Apesar de estarmos vivendo um momento desafiador, não nos deixamos abater, estamos fazendo o nosso melhor pela população do DF e contamos com o apoio de todos” Mayara Noronha Rocha, secretária de Desenvolvimento Social

A entrega simbólica ocorreu no Palácio do Buriti com a participação da primeira-dama e secretária de Desenvolvimento Social do DF, Mayara Noronha Rocha; da secretária de Turismo, Vanessa Mendonça; da subchefe de Políticas Sociais e Primeira Infância, Anucha Soares, e de representantes da instituição doadora.

Segundo Erika Fushida, diretora de Assuntos Públicos da Igreja, essa é uma ação integrada dos voluntários do projeto humanitário Mãos que Ajudam para amenizar o sofrimento dos que mais precisam. “Com a pandemia, as dificuldades se agravaram, tornando-se necessário o apoio de todos em prol das famílias em situação de vulnerabilidade social do DF”, afirma.

A secretária de turismo, Vanessa Mendonça, ressaltou a importância de trabalhar diuturnamente para atender as necessidades da população do DF: “A Setur-DF tem empreendido todos os esforços para colaborar com aqueles que estão desamparados nesse momento de crise gerada pela pandemia.”

De acordo com a secretária, o elo estabelecido pela Setur-DF com as causas sociais lideradas pela primeira-dama, Mayara Noronha Rocha, “fortalece o olhar diferenciado e multiplicador que só um governo de ação pode ter.”

A entrega simbólica ocorreu no Palácio do Buriti e as cestas serão encaminhadas de imediato às famílias que tiveram a situação agravada por conta da pandemia | Fotos: Glênio Dettmar/Subchefia de Políticas Sociais e Primeira Infância

A primeira-dama e secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha, ressalta que o Movimento Solidariedade Salva tem como principal objetivo atender de forma emergencial aqueles que têm fome. Pensando nisso, a campanha está arrecadando alimentos nos pontos de vacinação do Distrito Federal.

Sensibilizados com a campanha, empresários e sociedade civil vêm contribuindo com o movimento. “Apesar de estarmos vivendo um momento desafiador, não nos deixamos abater, estamos fazendo o nosso melhor pela população do DF e contamos com o apoio de todos”, finalizou Mayara.

A Igreja

A doação da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias – Estaca de Brasília (conhecida como Igreja Mórmon) será encaminhada de imediato às famílias que tiveram a situação agravada por conta da pandemia, levando esperança em forma de alimentos.

A instituição é uma igreja de fundamentação cristã com características restauracionistas, sendo a maior denominação originária do Movimento dos Santos dos Últimos Dias. A sede da Igreja fica em Salt Lake City, Utah, Estados Unidos da América e estabeleceu congregações em todo o mundo.

O Mãos que Ajudam é um programa permanente de ajuda humanitária e de serviço comunitário, que mobiliza milhares de voluntários de todas as idades, membros e amigos da Igreja, em parceria com empresas privadas, órgãos governamentais, veículos de comunicação, ONGs e instituições membros da Igreja no Brasil, estendendo a mão a quem precisa.

*Com informações da Subchefia de Políticas Sociais e Primeira Infância

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique por dentro do que acontece em Brasília

Receba atualizações semanais.

Relacionados

GDF antecipa vacinação de quem tem data marcada até 24 de setembro

A partir da próxima quarta-feira (8), as pessoas que têm a segunda…

Talibã diz ter tomado ‘controle total’ de área de resistência

O local era a última parte do território do Afeganistão que não havia ido para as mãos dos extremistas desde a volta ao poder, em 15 de agosto

Covid-19: mortes recuam 30,4% e atingem menor média no ano

Dados da Fiocruz indicam menor média de mortes desde dezembro de 2020