A Polícia Rodoviária Federal (PRF) está engajada no Movimento Maio Amarelo Um vídeo publicado em suas redes chama a atenção aos riscos da manobra quanto realizada de forma irresponsável.

Só em 2020, a PRF flagrou mais de 292 mil ultrapassagens indevidas nas BRs de todo o país. Mesmo com a redução da circulação de veículos, devido à pandemia do coronavírus, os dados revelam um aumento de 18% no número de ultrapassagens perigosas em relação a 2019. Para não fazer parte dessa estatística é importante ficar atendo às dicas do órgão.

Assista:

Ao realizar uma ultrapassagem, o motorista deverá, antes, verificar se há condições seguras para efetuar tal manobra: observar se os veículos que estão à frente e atrás já não sinalizaram a mesma intenção de ultrapassar; somente iniciar o procedimento se a faixa usada para ultrapassar estiver livre para o deslocamento; e se a distância for adequada para que todo o trajeto seja feito sem colocar em risco nenhum veículo.

Averiguadas as condições de segurança, o motorista não pode esquecer de sinalizar com a seta que irá iniciar a manobra; realizar a ultrapassagem mantendo a distância de segurança; retornar a faixa e desligar a seta. Desta forma, aumenta-se a probabilidade de sua viagem transcorrer sem riscos. Lembre-se que a direção defensiva é uma ótima maneira de se proteger e zelar também pela vida do outro.

Na rodovia, há sempre aquele que por hora ultrapassa e, por vezes, é ultrapassado. Portanto, ao perceber que será ultrapassado tome algumas medidas de segurança: se estiver na faixa da esquerda, desloque-se para a da direita, mas sem acelerar a marcha; se estiver nas outras faixas, mantenha-se nela e não acelere a marcha. Essa recomendação é muito importante para os veículos maiores e lentos que, preferencialmente, devem se manter na faixa da direita.

No caso de lentidão do fluxo, por algum bloqueio adiante, tenha paciência e aguarde o momento oportuno e confiável para realizar ultrapassagem. Mas nunca pelo acostamento! Os passageiros do transporte coletivo, ciclistas e pedestres utilizam esse espaço para embarque e desembarque, além da locomoção. Como na velocidade incompatível, o tempo que se ganha na viagem realizando ultrapassagens proibidas no percurso não compensa o custo e riscos de ferir pessoas.

A ultrapassagem realizada em vias de duplo sentido de direção é a que mais provoca ocorrências graves, pelo fato de muitas resultarem em colisão frontal. Trechos com pouca visibilidade ou em curvas, aclives, passagens de nível, pontes, viadutos e para as travessias de pedestres, além de haver a proibição no código desse tipo de manobra, representam locais em que a cautela precisa prevalecer, pois existem altos riscos de sinistros. Por isso, é normal que encontremos a faixa contínua nesses locais.

Com o objetivo de reduzir o número de acidentes desse tipo, coibir as ultrapassagens indevidas e conscientizar os atores do trânsito, a PRF tem intensificado a fiscalização, focando nos pontos críticos de acidentalidade nas diversas rodovias federais do país. Sem paciência para aguardar o momento oportuno e local em que a sinalização permita tal manobra, muitos condutores arriscam ultrapassagens. O alerta da PRF nesses casos não é para a multa de forçar ultrapassagem no valor de R$ 2.934,70 e suspensão do direito de dirigir. É sobre preservar vidas. É sobre o respeito e a responsabilidade que devem ser praticados no trânsito.

Fique por dentro do que acontece em Brasília

Receba atualizações semanais.

Relacionados

Três regiões do DF tem corte de luz para manutenção elétrica; confira quais

Em Samambaia, o serviço prestado será o de manutenção preventiva com poda de árvores, tornando necessário desligar a energia do Núcleo Rural Buriti Tição: Fazenda Luzia e Fazenda Jardim, na BR-060, das 8h40 às 14h

Morre o ator Paulo Gustavo

Acaba de morrer, no Hospital Copa Star (Rio de Janreiro), o ator…

Bolsonaro tinha um “aconselhamento paralelo” para assuntos da pandemia, diz Mandetta

Em depoimento, o ex-ministro da Saúde afirmou que o presidente contava com aconselhamento paralelo, que incluia médicos proponentes de remédios como cloroquina e ivermectiva, sempre acompanhados do filho Carlos Bolsonaro