O juiz substituto do Tribunal do Júri de Ceilândia acatou, no dia 29/3, denúncia feita pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios e determinou que a ré Luzia Ferreira de Assis, acusada de atropelar e matar o ciclista Jailson Barbosa de Oliveira, em 2020, seja julgada pelo júri popular.

O magistrado entendeu que a ré deve responder pelos crimes de homicídio e dirigir sob a influência de álcool e cocaína, condutas previstas no artigo 121 da Lei 9.503/97. O magistrado encaminhou o caso para o júri popular.

A decisão de pronúncia baseia-se em prova de materialidade e indícios de autoria do crime. Para o juiz, no presente caso, estão presentes a prova da materialidade e os indícios suficientes de autoria quanto ao delito principal (homicídio). Agora cabe ao Conselho de Sentença a análise do crime a ele conexo (embriaguez ao dirigir)

Ciclista atropelado

Jailson Barbosa tinha 34 anos quando foi atropelado. Foto: arquivo pessoal

Em 25 de janeiro de 2020, Jailson Barbosa de Oliveira foi atropelado quando ia para o trabalho. Familiares contaram que ele teve deslocamento em um dos braços, fraturas nas costelas e hemorragia interna.

Já a motorista foi levada para a 15ª Delegacia de Polícia (Ceilândia) e autuada por tentativa de homicídio doloso – quando há intenção de matar.

Segundo a Polícia Militar, a mulher fez o teste do bafômetro, que comprovou a embriaguez. O aparelho apontou 0,51 miligramas de álcool por litro de ar expelido.

A ré aguarda o julgamento em liberdade. Neste sentido, o juiz disse que foram decretadas medidas cautelares diversas da prisão em desfavor da acusada e que, até o momento, não há motivos para determinar a sua prisão preventiva.

Fique por dentro do que acontece em Brasília

Receba atualizações semanais.

Relacionados

CoronaVac é efetiva contra a variante brasileira P1, indica estudo em Manaus

Este foi o primeiro resultado da Coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac, em locais onde a variante P.1 é predominante.

Ministério Público quer apurar vídeo pornográfico durante aula online no DF

O Núcleo Especial de Combate a Crimes Cibernéticos (NCyber) do Ministério Público…

Vídeo: PMDF e DF Legal derrubam escola de ocupação do CCBB

Quatro ativistas foram presos por resistirem ao despejo. Escola atendia a filhos de sem-teto