O presidente da Associação de Bares e Restaurantes do DF, Beto Pinheiro, se pronunciou sobre a medida de lockdown divulgada pelo governador Ibaneis, prevendo muitas demissões.

O empresário está à frente do grupo Coco Bambu de Brasília: “Se fechar 20h,  eu mesmo vou ter de demitir todos os funcionários do turno do jantar. Isso representa 47% do nosso quadro”.

Ele também irá pleitear uma sugestão ao GDF: fazer um teste de 2 semanas com o lockdown começando 22h e não 20h. “Nosso pleito ao governador será esse. Para dar pelo menos um giro no jantar. Talvez já resolva o problema. Senão, vai ter muita demissão” , diz Pinheiro.

Prejuízo

De acordo com um levantamento feito pela associação, mais da metade (53%) dos donos de bares e restaurantes diz que suas empresas operam no prejuízo – e para 52% deles o faturamento está abaixo da expectativa na retomada. Em setembro, com a extensão do horário de funcionamento em algumas capitais, houve ligeira melhora nas receitas. Mesmo assim, 56% dos empresários dizem estar faturando menos da metade do que no mesmo período do ano passado.

A pesquisa também avalia os impactos da inflação de alimentos para os negócios, na percepção dos empresários. Sem estoques, devido ao longo tempo fechado, o susto foi grande na hora de reabastecer a cozinha: quase metade (47%) acha que os preços estão 15% mais caro do que era antes da pandemia, um número bem acima da inflação geral.

Com informações de Correio Braziliense

Fique por dentro do que acontece em Brasília

Receba atualizações semanais.

Relacionados

CoronaVac é efetiva contra a variante brasileira P1, indica estudo em Manaus

Este foi o primeiro resultado da Coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac, em locais onde a variante P.1 é predominante.

Ministério Público quer apurar vídeo pornográfico durante aula online no DF

O Núcleo Especial de Combate a Crimes Cibernéticos (NCyber) do Ministério Público…

Vídeo: PMDF e DF Legal derrubam escola de ocupação do CCBB

Quatro ativistas foram presos por resistirem ao despejo. Escola atendia a filhos de sem-teto