Para o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT), o Distrito Federal possui autonomia e competência para elaboração e apreciação de projeto de lei para a efetivação da modalidade de ensino. A Promotoria de Justiça de Defesa da Educação do (Proeduc) expediu nota técnica nesta segunda-feira, dia 23 de novembro, sobre a implementação do ensino domiciliar (homeschooling) no Distrito Federal.

Segundo a Promotoria, a educação familiar está de acordo com o princípio fundamental do pluralismo político e o sistema jurídico-legal em vigência. Portanto, as famílias têm direito ao exercício da liberdade educacional em relação a educação dos filhos menores, incluindo a educação familiar (homeschooling). Na última semana, em 17 de novembro, um projeto de lei que dispõe sobre o tema foi aprovado em primeiro turno na Câmara Legislativa. A proposta ainda será avaliada pelo plenário da CLDF e, sendo aprovada, seguirá para apreciação do governador.

Embora defenda a autonomia familiar, o MPDFT afirma que é dever do Estado promover a fiscalização e controle de padrões mínimos de conteúdo e qualidade da educação domiciliar. O objetivo é alcançar o efetivo desenvolvimento dos menores e o seu preparo para o exercício da cidadania e qualificação para o trabalho.

A Proeduc destaca que “a família, embora detentora da escolha do modelo educacional, não dispõe de liberdade em não adotar os conteúdos mínimos de aprendizagem, devendo o Estado efetuar a fiscalização e o controle por meio de avaliações e outros mecanismos de verificação da qualidade e do cumprimento das finalidades educacionais.”

A nota técnica cita ainda decisão recente do Supremo Tribunal Federal (STF) que declara que a prática da educação domiciliar não está vedada mas que exige para a sua implementação que o Poder Legislativo garanta as ferramentas necessárias à fiscalização do ensino ministrado. De acordo com o STF, as garantias devem compreender o respeito a padrões mínimos de qualidade, de forma a assegurar o direito fundamental à educação e ao pleno desenvolvimento das crianças e adolescentes que sejam submetidos a esse regime de ensino.

Fique por dentro do que acontece em Brasília

Receba atualizações semanais.

Relacionados

“Foi emocionante”: enfermeira foi a primeira vacinada contra covid-19 no DF

Seis profissionais da linha de frente no combate à doença foram imunizados na cerimônia desta terça-feira (19) no Hran

Ministério Público questiona o GDF sobre supostos “fura-filas” na vacinação contra a covid-19

Procuradores receberam denúncia de pessoas recebendo doses da vacina contra a covid-19 fora do grupo prioritário. Secretaria de Saúde diz que vai apurar

Indígenas Venezuelanos são acolhidos em unidade de atendimento social no DF

Famílias da etnia Warao estavam acampadas na Rodoviária Estadual e agora terão onde dormir e fazer refeições